27 de março de 2016

Outra

Na maioria dos dias eu gosto de quem eu sou, mas às vezes, devido algumas circunstâncias, eu gostaria de ser diferente, queria ser outra.

Não é algo que pode dizer apenas "então muda, ué", é algo mais intrínseco, é mais difícil, talvez porque eu queria não ser "eu" e para isso não tem muita mudança, né?

Algumas vezes fantasio pensando em como seria não ser eu, ter outros defeitos que não os meus, outras inseguranças que não as minhas. Fantasio que ser outra pessoa seria melhor. 

E se eu fosse mais bonita? E se eu fosse magra? E se meus peitos fossem menores? E se eu fosse uma pessoa genial? Dessas que ganham prêmios com 15 anos?

E se eu fosse uma dessas pessoas totalmente seguras de si? Ou se pelo menos eu fosse uma dessas pessoas que conseguem fingir que são totalmente seguras de si? 

Eu sei que é mentira, mas penso nesses absurdos, se eu seria mais feliz se fosse diferente do que sou e o que aconteceu para me tornar quem eu sou? Porque não sou melhor do que sou? Em que momento eu duvidei de mim e acreditei que não sou boa o bastante? Quando isso aconteceu? Foi na infância? Foi na adolescência? Ou será que nasci assim? Porque não consigo ser de outra forma?





2 comentários:

Alice disse...

como já dizia malfada, a dos quadrinhos argentinos: "Justo a mim coube ser eu!".

a auto-aceitação é um dos processos mais difíceis da vida adulta.
sorte no seu processo! = *

Laís Lemos disse...

me identifiquei.

Bjos Milla.